18444333_1755452391433073_3493617396038500352_n

Michael esteve em Paris no último mês e concedeu algumas entrevistas. Você confere abaixo a entrevista dada para a revista COCY – a Curiosite Positive traduzida pela nossa equipe. Malarkey falou sobre seu novo álbum, Mongrels, sobre seus projetos e sobre sua vida pessoal. Boa leitura!

Você deve conhecer ele como Enzo, um dos personagens da famosa séria chamada The Vampire Diaries porém Michael Malarkey não é somente um ator… Ele também é músico! Com o anuncio de seu primeiro álbum, nós tivemos a oportunidade de escutar algumas de músicas em seu show de pré-lançamento. Entre seu universo sombrio e seu título intrigante, Mongrels (que será lançado em setembro) parece surpreendente!
O criador concordou de nos contar um pouco mais sobre este álbum e a história por trás dele. Conheça Michael Malarkey!

Então… Em Maio, nós tivemos a oportunidade de ver você em sua apresentação em Paris. Como vem sendo desde então?

Muita coisa aconteceu! Nós fizemos alguns shows de pré-lançamento em Bruxelas, Barcelona. Depois disto eu fui para Nova Orleans, fiz um projeto lá. Para ser honesto, tem sido dois dos meses mais loucos da minhas vida apenas viajando e fazendo coisas. Acabei de sair por um longo período de tempo e na verdade não percebi o quão difícil isso seria.

Semana passada eu tive alguns poucos dias muito bons com meu filho, brincando no jardim e deixando meu celular lá dentro. Eu acho que é importante ser capaz de balancear. Você sempre tem que ter certeza de que você encontra o tempo para sua família, seus amigos, mesmo que você tenha muito trabalho!

Nós também tivemos a chance de ouvir algumas músicas do seu novo álbum. Notamos o fato que a atmosfera é bem sombria. Pode nos contar mais sobre isso? Como descreve esse álbum?

Sim! Assim como gravei uma parte sombria, eu também queria incorporar um pouco de leveza nele. Então algumas faixas são mais leves, e… Existem partes que são sob reencontrar o equilíbrio na eterna dualidade entre clareza e escuridão. Essa luta para descobrir… Perceber que a escuridão dentro de você só é ruim se você ignorar e se esconder disso. Mas se você olhar para ela no rosto, você será como ‘ok, isso é o que é’. E eu acho que quando você tem a audácia de enfrentar seus medos e seus desejos mais sombrios, eles não o consumem!

Não sei se isso faz sentido? (risos)

Sobre esta nova atmosfera sombria, você acha que seu estilo de música mudou? Ou ainda é o mesmo que no início?

Eu acho que o espírito é muito semelhante, mas também é definitivamente um passo à frente. Há muito mais instrumentos, mais peças instrumentais dentro das músicas. Tivemos duas sessões diferentes com músicos. Nós trabalhamos em algumas das músicas como: ‘ok, isso funcionará com esse tipo de baterista, esse trabalhará com esse tipo’. Portanto, a seção de ritmo foi diferente para a metade do gravação.

Eu também tinha idéias muito mais específicas do que eu queria para as faixas, eu tinha uma imagem clara na minha cabeça de alguns dos instrumentos que eu queria. Eu acho que posso dizer definitivamente que estou orgulhoso deste álbum!

Você pode explicar por quê você escolheu Mongrels como o título?

Então… Mongrels (viralatas) são cães de raças misturadas, não são de raça. Uma das razões para esse título é que eu venho de uma variedade de origens culturais. Minha mãe é metade árabe, meio italiana. Ela também é britânica, ela cresceu na Inglaterra. Para o meu pai: ele cresceu nos Estados Unidos, mas ele é irlandês-americano… Viajei muito em uma idade muito jovem por causa do trabalho do meu pai. Todas essas influências culturais fizeram parte da minha vida.

Também é apenas a representação de estar sem raiz, de não ter um lugar de onde você é. Eu percebi as horas extras que estou em casa onde quer que eu esteja, e estou confortável com isso. Eu não sinto que preciso fixar minhas raízes em um determinado lugar. E o título do álbum é sobre isso, sobre o que é ser um mestiço e essa jornada de ser um mestiço, encontrando seu lugar na natureza impermanente da existência. Todas essas coisas me fazem um mestiço.

Você tem uma música favorita no álbum? Existe alguma música que seja mais importante para você e por quê?

Isso muda muito frequentemente (risos). Mas já faz algum tempo que é Uncomfortably Numb. Vai ser o próximo single a sair, acabamos de gravar um vídeo musical em Londres. Foi uma ótima experiência!
Mas, a razão pela qual essa música é uma das minhas preferências no álbum é porque eu escrevi sem guitarra, escrevi acapella. Eu simplesmente senti essa liberdade escrevendo desse jeito, essa era uma experiência libertadora porque meu conhecimento de acordes é limitado. Descobri que, quando escrevo algo, às vezes comprometo as notas que eu estava ouvindo na minha cabeça porque não consegui encontrá-las no violão. Então eu me conformo com outra coisa. Mas fazendo isso, acapella, eu podia ouvi-la… Eu podia ouvi-la na minha cabeça.

Essa música me fez perceber que eu não estou preso à forma que escrevo.

Todos sabemos que você não é apenas um músico, você também é um ator. É difícil balancear os dois?

Do ponto de vista artístico, não é difícil. É difícil em termos comerciais devido à disponibilidade. Quando você não está trabalhando em um projeto como ator, você não sabe quando você estará. Quero dizer, você faz uma audição para coisas que serão filmadas na próxima semana ou mais tarde. Então, se eu agendar uma tour e depois um filme, isso poderia acabar tirando um pedaço dessa tour e eu acabaria perdendo alguns promotores em potencial pra música. É o equilíbrio que é difícil. Mas eu sinto que algo assim não deve desmotivar você para fazer isso, trata-se apenas de lidar com a situação no momento, escolhendo o que é melhor para você. Às vezes, a turnê vai ser melhor para mim do que alguns filmes. Então me pergunto: “qual vale mais a pena?”.

Mas se alguém lhe pedisse para escolher entre música, cinema ou teatro, você escolheria?

Eu acho que dependeria do que está acontecendo com as duas coisas de cada vez! Existem certos trabalhos que eu realmente não posso realmente me dar ao luxo de fazer, como trabalhos de teatro. Eu adoraria voltar ao teatro um dia. E se fosse só eu, seria diferente, mas agora mesmo eu tenho uma família e tenho que pensar sobre isso, sabe?

E agora que Vampire Diaries acabou, você acha que você será mais dedicado à música?

Não, ainda estou fazendo muitas audições e ainda estou perseguindo as duas coisas. Neste momento, estamos focados em muita música, mas é porque temos esse álbum em setembro… Então, temos todas as coisas de pré-imprensa para fazer, todas as festas de pré-lançamento, etc.

Tem sido incrível, eu realmente gostei de fazer isso e estou ansioso para fazer uma turnê com a banda para este álbum! Vai ser um conjunto muito dinâmico.

Última pergunta, além do seu álbum, você tem algum plano futuro?

Bem, planejamos lançar o álbum no dia 8 de setembro. Então faremos uma pequena tour no Reino Unido e na Europa e voltaremos para Paris. Estou muito animado com isso, adoro os franceses e a cultura francesa! Gostaria de passar mais algum tempo aqui.
Seja como for… Como eu disse, faremos turnês, haverá outro lançamento no próximo ano e mais algumas turnês nos Estados Unidos. Eu não posso falar sobre as coisas agora, mas definitivamente há algumas coisas acontecendo. Tudo ficará muito louco e muito ocupado!

Fonte: COCYFR | Tradução e Adaptação: MALARKEY BRASIL — Não reproduza sem os créditos